Controle de cor na Indústria Farmacêutica


A aparência do produto tem grande influência na sua habilidade de vendas e extrema influência na escolha. Produtos coloridos erroneamente podem gerar reações adversas no consumidor uma vez que elas têm um apelo emocional nos sentidos e tocam o comprador de uma maneira especial. Por exemplo, a cor dos produtos influencia a aceitação do consumidor e o ato de colocar o produto no carrinho de compras. Na indústria de alimentos, a cor pode indicar o frescor ou a maturação de um determinado produto e é frequentemente um indicador de qualidade.

Na indústria farmacêutica, a cor é percebida e documentada em função de diversas razões especiais. A avaliação de cor é largamente utilizada em laboratório e ambientes industriais para identificar os atributos da cor e inconsistências em drogas e medicamentos. Companhias que reproduzem fielmente as cores sabem que ela é parte integral do sucesso do produto a longo prazo e controlam a qualidade de forma rigorosa. Com as tecnologias atuais, muitas indústrias farmacêuticas encontraram maneiras de melhorar os testes e economizar tempo e recursos no controle e avaliação da cor.

Controle de cor
É um critério importante na produção de produtos farmacêuticos e de cuidados pessoais. Não é surpresa que os ingredientes utilizados na produção de fármacos sejam regulados, com uma série de testes e passos no controle de qualidade garantindo que os consumidores recebem doses corretas e seguras de fármacos.

No setor farmacêutico, as práticas de avaliação de cor são amplamente aplicadas em laboratórios e ambientes de produção para a comunicação precisa dos atributos de cor e inconsistências em amostras assegurando que os padrões de qualidade sejam atingidos.

A qualidade e segurança dos fármacos são rigidamente controlados por órgãos reguladores. Para atender os altos padrões de agências reguladoras como USP (United States Pharmacopeia ; EP (european Pharmacopeia) e outras farmacopeias; são necessários instrumentos de medição de cor precisos e confiáveis.

Avaliação visual
A teoria da cor pode parecer complexa, mas na realidade o olho humano pode detectar pequenas diferenças de forma rápida e precisa. Infelizmente, observadores individuais nem sempre concordam com essas diferenças, levando a erros de comunicação. Uma pessoa pode lembrar apenas categorias genéricas de cor, tornando impossível a referência de cor de uma amostra teórica.

A interpretação da cor é subjetiva e facilmente influenciada por fatores os quais não podem ser facilmente controlados. O tamanho da amostra, idade e condições de iluminação são apenas alguns dos fatores que afetam a percepção de um indivíduo. A maioria das indústrias confia na habilidade adquirida por tecnólogos treinados para detectar pequenas diferenças na cor do produto final. Mesmo assim, os problemas ainda ocorrem durante a tentativa de comunicar a descrição cor de forma precisa entre os vários departamentos ou grupo de pessoas.

Medição da aparência.
Quando a luz atinge um objeto ela é transmitida, dispersada, refletida ou absorvida. O efeito resultante dessa luz determina a cor do material que depende de efeitos combinados de ângulo de visualização, fonte de luz, qualidade da luz, fundo e tamanho do objeto.

Na preparação de produtos farmacêuticos, a cor pode ser classificada em três categorias – opaca, translúcida ou transparente. Na percepção visual, a cor é reproduzida quando a luz interage com o objeto, o observador e a fonte de luz.

A Comissão Internacional de Iluminantes – CIE, é uma organização conhecida para aqueles que trabalham com a ciência da cor, especificando o uso de iluminantes e observadores padrão para a obtenção dos valores tristímulus CIE. Os valores Tristímulus são o conjunto de cores primárias; vermelho, verde a azul; que são convertidas em cor nos espaços de cor para facilitar a quantificação da cor.

CIE L*a*b* e CIE LCH, são espaços de cor amplamente adotados em inúmeras indústrias para o controle e medição da cor. Esses espaços de cor medem os níveis de luminosidade (L*) e de vermelho (+a*), verde (-a*), amarelo (+b*) e azul (-b*) de uma cor.

Com os espaços de cor, as cores podem então ser comunicada de forma direta e precisa usando instrumentos de medição como os espectrofotômetros.

Espectrofotômetros
Os espectrofotômetros fornecem a informação precisa da cor ou a “impressão digital” de uma cor. Esses instrumentos medem a refletância ou transmitância espectral de uma amostra, através de comprimentos de onda eletromagnéticos visíveis entre 400nm a 700nm e são recomendados para aplicações onde são empregadas especificações rígidas de cor ou em trabalhos de pesquisa. Os avanços na tecnologia de cor e óptica fizeram a medição de cor um procedimento livre de erros até para leigos.

As medições de cor podem ser feitas de forma simples e rápida e sem erros, mesmo para usuários iniciantes e ocasionais . Sistemas de calibração incorporados, permitem uma configuração fácil e rápida do sistema. Um sistema integrado permite medições de transmitância e refletância de todos os tipos de amostras.

O uso de espectrofotômetros pode ser encontrado em companhias farmacêuticas devido aos diversos benefícios para uma grande variedade de aplicações. Ele pode ser utilizado para vários propósitos como assegurar que os produtos atendam a padrões de qualidade. Pílulas, por exemplo, precisam ter formatos e cores únicos para evitar a troca por outros medicamentos. Outro uso é garantir a consistência da dosagem, se a cor é diferente, ela pode vir a alterar o resultado final do produto e causar perdas na linha de produção.

Aplicações
Medir as cores com precisão na P&D e Controle de lotes.

Os espectrofotômetros são instrumentos muito precisos que são usados para analisar a cor bem como a aparência de um objeto. Eles são fornecidos em diferentes tipos, cada um com um propósito específico. Espectrofotômetros de bancada, por exemplo, são usados na medição de sólidos, pós, cremes e até amostras em estado líquido. Eles estão sendo cada vez mais utilizados por companhias farmacêuticas devido à sua versatilidade de medições. Os espectrofotômetros asseguram que a cor de um produto confere com as especificações através da avaliação e definição numérica dos resultados. Os fabricantes podem controlar de forma simples os corantes em pílulas, pós, líquidos e outros produtos farmacêuticos através das informações de cor fornecidas por um espectrofotômetro. Essa redução extrema reduz perdas e propicia maior qualidade dos produtos com grande eficiência aumentando assim os lucros.

Espectrofotômetros e suas aplicações para a indústria farmacêutica.
Muitos laboratórios de indústrias farmacêuticas utilizam espectrofotômetros de bancada para a avaliação dos efeitos dos ingredientes em um produto. Testes são criados placas seccionadas, onde à cada seção é administrada uma quantidade diferente de um ingrediente ativo. Um corante, que é ativado quando as células de teste incorporam o ingrediente, também é administrado em cada seção da placa. Com a utilização de um espectrofotômetro de bancada, cientistas e pesquisadores podem facilmente medir de forma numérica os efeitos que o ingrediente tem na célula através da medição do corante em cada seção de teste.

Garantindo a pureza de ingredientes transparentes.
Assim como na atmosfera, a turbidez pode criar uma aparência enevoada nos objetos. Essa turbidez faz com que os objetos pareçam mais claros e distorcidos, criando problemas para produtores que precisam atender à certo padrões em seus produtos.

A aparência turva na química ocorre quando irregularidades na substância forçam a dispersão da luz, quando esta passa através de uma solução, sendo que a turbidez pode comprometer a nitidez de uma solução. Essa falta de nitidez normalmente afeta a transparência de líquidos e é altamente problemática para os produtores.

Medindo a turbidez.
A turdidez pode ser controlada e minimizada usando-se uma instrumentação apropriada. A tecnologia de medição de cor não apenas avalia a cor, mas também a ausência de cor em um líquido. Pode-se utilizar um espectrofotômetro ou turbidímetro quando a turbidez for problemática em um químico transparente.

Espectrofotômetros, frequentemente utilizados em conjunto com softwares de Controle de Qualidade, fornecem informação sobre a nitidez de um líquido e a quantidade de turbidez em sua aparência. Isso permite aos usuários rastrear a origem da turbidez e executar de imediato ações corretivas.

Um valor padrão de turbidez deve ser primeiramente definido para assegurar que cada lote mantenha, a sua consistência de nitidez. Por exemplo, porcentagem de turbidez do padrão está entre 0% e 30%, se percentual de turbidez da amostra for superior a 30% o lote será rejeitado. Além disso cada amostra pode ser avaliada com a utilização de um espectrofotômetro buscando a identificação de turbidez em sua aparência em comparação com os dados definidos no padrão. Com esses dados, ações corretivas podem ser executadas antes que um lote maior de produção grande seja iniciado mantendo-se assim todos os lotes documentados.

Pela identificação antecipada do problema, retrabalhos e perdas são evitados. Para uma avaliação correta da transparência e turbidez , um espectrofotômetro é recomendado.


* Imagens da Mettler Toledo

Blogs de Medição de Cor


Blogs de Medição de Luz & Monitores


Privacy Preference Center